divdiv
PUBLICIDADE

Cidade

Publicidade

Erechim irá receber o teatro Doador do Futuro – Semeando Esperança

Teatro será realizado no dia 18 de abril, com entrada gratuita

Por: Da Redação
Fotos: Reprodução

Na próxima quinta-feira (18) Erechim irá receber o teatro Doador do Futuro – Semeando Esperança. A peça teatral visa conscientizar a população sobre a doação de medula e de se tornar um doador. O teatro será realizado no Centro Cultural 25 de Julho em dois horários, às 9h e às 19h30min. A entrada é gratuita.

“Como o teatro só é realizado nas cidades que tem hemocentro, nós fomos em busca de conseguir trazer ele para o município de Erechim. É importante que as pessoas saibam a importância da doação da medula e que possam passar essa informação para outras pessoas”, diz a integrante do movimento Ser Doador Tatiane Dezordi.

“Nós estamos focando bastante em jovens, tivemos uma parceria com a 15ª Coordenadoria Regional de Educação que irá levar os estudantes para participar do teatro. Mas vale lembrar que ele é aberto a todo público”, diz o vereador e apoiador do projeto Ale Dal Zotto.

O teatro é uma parceria do Instituto Pietro, Projeto Ser Doador e diversas empresas apoiadoras.

Como funciona o cadastro para ser doador

Uma pessoa só pode se cadastrar entre 18 e 35 anos, ficando ativa até os 60 anos como um possível doador de medula.

Atualmente, o cadastro não é realizado em Erechim. Por isso, o projeto Ser Doador organiza um movimento para levar as pessoas que querem realizar o cadastro para ser doador até o município de Passo Fundo.

Esse cadastro ficará registrado no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME). O Redome reúne informações pessoais como nome, endereço, resultados de exames e características genéticas dos candidatos voluntários a doar medula. O Redome articula os cadastros de todo o mundo.

Para realizar um cadastro como doador, o voluntário precisa:

  • Ter entre 18 e 35 anis de idade
  • Estar em bom estado de saúde
  • Não ter doença infecciosa transmissível pelo sangue (como infecção pelo HIV ou hepatite)
  • Não apresentar histórico de doença neoplástica (câncer), hematológica ou autoimune (como lúpus eritematoso sistêmico e artrite reumatoide).

Como surgiu o Instituto Pietro

Pietro de Albuquerque acabara de completar 18 anos, no ano de 2007, quando recebeu o diagnóstico de leucemia mieloide aguda. O jovem passo-fundense, que sonhava em ser escritor, foi obrigado a lutar contra a doença devastadora que mata oito a cada 10 pacientes, durante 10 meses de espera, até que conseguisse um doador de medula óssea compatível. Porém, já era tarde demais. A vida e morte do jovem, filho do ex-deputado federal Beto Albuquerque, inspirou, à época, a criação da Lei Federal 11.930 – que institui a Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea – e, hoje, ganha os palcos dos teatros através do espetáculo “Doador do Futuro – Semeando Esperança”.

Aprovado na Lei de Incentivo à Cultura e promovido pela produtora cultural d.marin, em parceria com o Instituto Pietro, o projeto é destinado, principalmente, aos adolescentes das escolas públicas, e busca criar possíveis “doadores do futuro”.

Desde o diagnóstico de leucemia do filho, Beto Albuquerque, pai de Pietro e ex-deputado federal, iniciou uma luta em prol da doação de medula óssea. Em 2019, ano que Pietro completaria 30 anos, Beto inaugurou o instituto que leva o nome do filho, em Porto Alegre. A associação é especializada na doação de medula óssea e, desde a fundação, trabalha para conscientizar a população Brasil afora.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE