divdiv
PUBLICIDADE

Ciência

Publicidade

Espécie de dinossauro foi descoberta décadas após seus ossos serem escavados

Cientistas creditam que espécie seja do período Cretáceo Inferior, de cerca de 125 milhões de anos

Por: CNN Brasil

Uma espécie de dinossauro foi descoberta décadas depois que seus ossos foram desenterrados, de acordo com um novo estudo.

Os cientistas chamaram o antigo réptil de Brighstoneus simmondsi, que se acredita ser do período Cretáceo Inferior, cerca de 125 milhões de anos atrás.

O gênero Brighstoneous foi batizado em homenagem a Brighstone, uma cidade inglesa próxima ao local da escavação. Simmondsi é uma homenagem ao colecionador amador Keith Simmonds, que encontrou os espécimes.

Simmonds encontrou os ossos originalmente em 1978 na Ilha de Wight, na costa sul da Inglaterra. Os espécimes foram armazenados no museu Dinosaur Isle em Sandown, na Ilha de Wight, até serem examinados 40 anos depois para um estudo diferente.

“É bastante comum, senão mais comum, hoje em dia descobrir novos dinossauros em porões de museus, em vez de no campo”, disse o autor do estudo Jeremy Lockwood, estudante de doutorado no Museu de História Natural de Londres e na Universidade de Portsmouth, no Reino Unido.

Na época, Lockwood conduzia pesquisas sobre a diversidade de grandes dinossauros iguanodônticos herbívoros, que incluíam o Iguanodon e o Mantellisaurus atherfieldensis, os espécimes fósseis de dinossauros mais comuns encontrados até agora na ilha.

Uma descoberta acidental

Depois de examinar de perto os ossos, Lockwood percebeu que tinha uma nova espécie de dinossauro nas mãos.
Tanto o iguanodonte quanto o mantelissauro tinham um nariz reto e achatado, enquanto o Brighstoneus tinha um nariz arredondado, disse ele. Brighstoneus também tinha mais dentes, que foram projetados para mastigar, acrescentou Lockwood.

No período do Cretáceo Inferior, grama e plantas com flores não estavam amplamente disponíveis, então o dinossauro provavelmente teve que comer plantas resistentes como galhos de pinheiro e samambaias, disse ele.

Usando os ossos da coxa e do fêmur, os cientistas estimaram que o dinossauro tinha cerca de 8 metros de comprimento e pesava cerca de 1 tonelada.

Antes dessa descoberta, os cientistas designaram todos os ossos delicados encontrados na ilha como Mantellisaurus, enquanto os ossos maiores foram categorizados como Iguanodon.

“Brighstoneus mostra que havia maior diversidade nos iguanodontianos do Cretáceo Inferior do que imaginávamos”, disse Lockwood.

Construído de maneira diferente

Os espécimes de Brighstoneus também eram 4 milhões de anos mais velhos que os ossos do Mantellisaurus, então pode-se argumentar que eles são improváveis ​​da mesma espécie devido ao longo período de tempo entre os dois, observou ele.

Algumas das características dos ossos, como a mandíbula, são exclusivas de Brighstoneus, disse Matthew McCurry, curador de paleontologia do Museu Australiano de Sydney e conferencista sênior da Universidade de New South Wales, que não esteve envolvido no estudo.

A mandíbula mais longa era capaz de conter 28 dentes, alguns a mais do que qualquer outra espécie intimamente relacionada, disse McCurry.

Lockwood está interessado em pesquisar se a diversidade dos dinossauros mudou ao longo do tempo ou se permaneceu a mesma ao longo de 1 milhão de anos.

Ossos de dinossauros também podem revelar como a Terra era há milhões de anos, disse McCurry.

“Descrever novas espécies de dinossauros é o primeiro passo para juntar os pedaços de como eram esses ecossistemas do passado e aprender como eles mudaram com o tempo”, disse ele.

O estudo com o nome de Brighstoneus simmondsi foi publicado na quarta-feira no Journal of Systematic Palaeontology.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE