divdiv
PUBLICIDADE

Mundo

Publicidade

Maior iceberg do mundo se solta e pode ameaçar vida selvagem da Antártida

Essa é a primeira vez em três décadas que o icerberg gigante de 4 mil km quadrados se move, desde que se desprendeu da plataforma de gelo Filchner-Ronne

Por: CNN
Fotos: Divulgação

O maior iceberg do mundo está em movimento pela primeira vez em mais de três décadas, disseram cientistas.

Com quase 4 mil km quadrados, o iceberg antártico chamado A23a tem aproximadamente três vezes o tamanho da cidade de Nova York.

Desde que se desprendeu da plataforma de gelo Filchner-Ronne, na Antártica ocidental, em 1986, o iceberg – que já abrigou uma estação de pesquisa soviética – ficou em grande parte encalhado depois que sua base ficou presa no fundo do Mar de Weddell.

Só que ele não está mais. Imagens recentes de satélite revelam que o iceberg, que pesa quase um trilhão de toneladas métricas, está agora passando rapidamente pela ponta norte da península antártica, auxiliado por fortes ventos e correntes.

É raro ver um iceberg deste tamanho em movimento, disse Oliver Marsh, glaciologista do British Antarctic Survey, por isso os cientistas estarão observando sua trajetória de perto.

À medida que ganha força, o colossal iceberg provavelmente será lançado na Corrente Circumpolar Antártica. Isto irá afunilá-lo em direção ao Oceano Antártico por um caminho conhecido como “beco dos icebergs”, onde outros do seu tipo podem ser encontrados flutuando em águas escuras.

Por que o iceberg está solto agora ainda está para ser visto. “Com o tempo, provavelmente diminuiu um pouco e ganhou um pouco de flutuabilidade extra que lhe permitiu se levantar do fundo do oceano e ser empurrado pelas correntes oceânicas”, disse Marsh. O A23a também está entre os icebergs mais antigos do mundo.

É possível que o A23a fique novamente encalhado na ilha da Geórgia do Sul. Isso representaria um problema para a vida selvagem da Antártida. Milhões de focas, pinguins e aves marinhas se reproduzem na ilha e se alimentam nas águas circundantes. O gigante A23a poderia cortar esse acesso.

Em 2020, outro iceberg gigante, o A68, suscitou receios de que iria colidir com a ilha da Geórgia do Sul, esmagando a vida marinha no fundo do mar e cortando o acesso aos alimentos. Tal catástrofe foi finalmente evitada quando o iceberg se partiu em pedaços menores – um possível fim também para o A23a.

Mas “um iceberg desta escala tem potencial para sobreviver durante bastante tempo no Oceano Antártico, apesar de ser muito mais quente, e poderia avançar mais para norte, em direção à África do Sul, onde pode perturbar o transporte marítimo”, disse Marsh.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE