divdiv
PUBLICIDADE

Estado

Publicidade

Número de doadores de órgãos e de transplantes caiu quase pela metade durante a pandemia

Um salva 8: veja mais sobre a campanha que visa aumentar o número de doações do RS

Por: Natiele

A próxima segunda-feira, 27 de setembro, é o Dia Nacional de Doação de Órgãos, e segundo a Secretaria da Saúde (SES) do Estado, durante a pandemia de coronavírus, diminuiu o número de doadores e de transplantes no Rio Grande do Sul.

Em 2019, houve 243 doações; em 2020 foram 182; e até agosto de 2021, 96. “Percebemos com preocupação o crescimento da lista de espera por órgãos e a angústia dos pacientes esperando por um transplante”, afirma o coordenador da Central Estadual de Transplantes, Rafael Rosa.

Cada doador pode salvar até oito vidas, e a decisão da doação é feita pela família, que já deve estar consciente de que a pessoa tem vontade de doar seus órgãos. “Precisamos reverter essa situação, por isso reforço a toda população gaúcha que se junte à nossa causa e que as pessoas avisem suas famílias de que desejam ser doadores”, afirma Rosa.

“Temos que estar permanentemente atentos porque cada um de nós pode fazer a sua parte para salvar vidas”, fala a secretaria de saúde do Estado, Arita Bergmann. Ela considera importante que a comunidade se mobilize em relação à possibilidade da doação de órgãos. “É um ato de solidariedade que pode dar uma segunda chance a tantas pessoas que aguardam por um rim, um fígado, um coração, um pulmão e outros órgãos tão vitais para a sobrevida das pessoas que estão na fila de espera”, salientou Arita.

O médico Antônio Kalil, cirurgião de transplante de fígado da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, constata que neste ano houve, pela primeira vez, um número maior em lista de espera no primeiro semestre do que em todo o ano passado. Para diminuir este impacto, o médico diz que é preciso que as famílias conversem entre si sobre a possibilidade de serem doadores. “Na verdade a escolha e a decisão são feitas pela família num momento de tristeza”, lembra. Kalil aposta na contribuição de colégios e de universidades para sensibilizar a população sobre a importância da doação de órgãos, pois “assim toda a sociedade será beneficiada

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE